Este website utiliza cookies para ter uma melhor experiência de navegação e utilização.
Ao navegar está a consentir a utilização dos cookies associados ao site.

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

BCP coloca 450 milhões em dívida subordinada com juro nos 3,871%
20-09-2019 21:30

O Banco Comercial Português fechou esta sexta-feira uma emissão de dívida subordinada com uma maturidade a 10 anos e seis meses, sendo que a oferta arrancou com um preço que apontava para uma taxa de juro acima de 4%, mas esta acabou por ficar abaixo deste nível.
 
Em comunicado à CMVM nesta sexta-feira, o BCP informa ter fixado hoje as condições da nova emissão de títulos representativos de dívida subordinada que se espera que venha a ser elegível como fundos próprios de nível 2, ao abrigo do seu Euro Note Program.
 
A emissão, no montante de 450 milhões de euros, terá um prazo de 10,5 anos, com opção de reembolso antecipado pelo banco no final de 5,5 anos, e uma taxa de juro de 3,871%, ao ano, durante os primeiros 5,5 anos (correspondente a um spread de 4,231% sobre a taxa mid-swaps de 5,5 anos, o qual, para a fixação da taxa de juro para os remanescentes 5 anos, se aplicará sobre a taxa mid swaps em vigor no início desse período), explica o banco liderado por Miguel Maya.
 
"A operação foi colocada num conjunto muito diversificado de investidores institucionais europeus", acrescenta.
 
O banco sublinha que "a celeridade com que a operação foi executada representa a confiança do mercado no Millennium bcp, no sucesso do seu plano estratégico e a capacidade do banco de aceder a este importante segmento do mercado de capitais".
 
A emissão, destaca o comunicado, "insere-se na estratégia do Millennium bcp de otimizar a sua estrutura de capital e reforçar a sua presença no mercado de capitais internacional".
 
Esta manhã a Bloomberg tinha já avançado com os detalhes da emissão do BCP, que pretendia colocar entre 400 e 500 milhões de euros em obrigações subordinadas Tier 2 e que no final optou por colocar 450 milhões de euros (corresponde ao ponto médio do intervalo).
 
A Bloomberg adiantou que o initial price talk (IPT), que corresponde à primeira taxa de juro oferecida pelo emitente, era de 4,1255%, mas que tinha descido ao longo da emissão e sido fixado em 3,875%. "Esta descida de 25 pontos base reflete o interesse dos investidores pelos títulos, já que a procura superou os 725 milhões de euros", referiu a agência.
 
O banco anunciou agora que a taxa acabou por ficar nos 3,871%, o que foi ainda melhor.
 
O BCP tinha anunciado na quinta-feira que tinha mandatado o Credit Suisse, o Goldman Sachs International, o JPMorgan e o Millennium BCP para avançar com esta emissão de dívida subordinada. O banco liderado por Miguel Maya tinha já adiantado que os títulos iriam pagar uma taxa fixa, com prazo de 10 anos e 6 meses e possibilidade de reembolso antecipado, por parte do banco, uma vez decorridos 5 anos e 6 meses. Daí o código dos títulos: 10.5NC5.5. 
As emissões de dívida subordinada não são comparáveis com outras emissões de dívida sénior, uma vez que estes títulos têm um risco maior. Estas obrigações contribuem para o capital do banco, mas os seus detentores serão chamados a sofrer perdas no caso de uma resolução da instituição financeira. E, consequentemente, costumam exigir um prémio maior. "Pretende-se que a emissão venha a preencher os requisitos regulamentares necessários para poder ser classificada como instrumento de fundos próprios de nível 2", anunciou ontem o BCPA última vez que o BCP realizou uma emissão de dívida subordinada a 10 anos, e que também serviu para reforçar o rácio de capital suplementar Tier 2, foi em novembro de 2017, altura em que pagou uma taxa de cupão de 4,5% para colocar 300 milhões de euros. Desde então, as condições de mercado mudaram, com as taxas de juro praticadas a descerem consideravelmente. 
 O BCP realizou também, em janeiro deste ano, uma emissão de dívida subordinada, mas perpétua. Nessa altura, o BCP pagou um juro de 9,25% para emitir 400 milhões, tendo a procura duplicado a oferta. 

Bolsas dos EUA sobem 1% à boleia dos resultados
15-10-2019 21:10

Função Pública passa a ter um Ministério liderado por Alexandra Leitão
15-10-2019 19:53

Agora é a Hora
15-10-2019 18:15

Produção da EDP Renováveis aumentou 6% até setembro
15-10-2019 17:43

Nomes do próximo Governo vão ser conhecidos ainda hoje
15-10-2019 17:20

PSI-20 volta ao verde com BCP a subir quase 2%
15-10-2019 16:43

Tendas para refugiados e restos de comida vencem concurso de ideias da ANI
15-10-2019 16:16

Libra dispara com notícia sobre proximidade de acordo no Brexit
15-10-2019 15:56

Lucros dos bancos animam abertura de Wall Street
15-10-2019 14:42

JPMorgan e Citigroup com lucros acima do esperado. Goldman Sachs e Wells Fargo ficam aquém
15-10-2019 14:00

Ulisses Pereira: "Semapa tem de dar um sinal de força" para pôr fim ao "Bear Market"
15-10-2019 13:18

Vista Alegre emite 50 milhões de euros em obrigações
15-10-2019 13:18

Estado injecta 518 milhões na CP para reembolsar empréstimo
15-10-2019 13:08

Pedro Mota Soares vai ser a voz das empresas de comunicações
15-10-2019 12:34

ASF dá "ok" à administração da Monaf. Gestão de Tomás Correia ainda aguarda
15-10-2019 12:12

Interessados têm nove meses para apresentar propostas ao novo terminal de Sines
15-10-2019 12:12

Itaú e Bradesco avaliam gestoras de fortunas em Portugal
15-10-2019 11:31

Ilha do Canal da Mancha procura enfermeiros portugueses
15-10-2019 11:31

Alemã Wirecard afunda 23% com novas suspeitas de fraude
15-10-2019 11:31

Crédito ao consumo abranda de recorde com menos financiamento automóvel
15-10-2019 11:18

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco