BCP paga mais de 4% para emitir até 500 milhões em dívida subordinada 20/09/2019 08:53:00

O Banco Comercial Português está esta sexta-feira no mercado com uma emissão de dívida subordinada com uma maturidade a 10 anos e seis meses, sendo que a oferta arrancou com um preço que aponta para uma taxa de juro acima de 4%.
De acordo com a Bloomberg, que está a avançar com os detalhes da emissão, o BCP pretende colocar entre 400 e 450 milhões de euros em obrigações subordinadas Tier 2. O initial Price talk (IPT), que corresponde à primeira taxa de juro oferecida pelo emitente, foi fixado em 4,1255%.
Esta taxa, bem como o montante a colocar, pode variar até ao fecho da operação, sendo que terá em conta a procura e o interesse dos investidores nos títulos que o BCP  está a emitir.   
O BCP tinha anunciado na quinta-feira que tinha mandatado o Credit Suisse, o Goldman Sachs International, o JP Morgan e o Millennium BCP para avançar com esta emissão de dívida subordinada. O banco liderado por Miguel Maya tinha já adiantado que os títulos iriam pagar uma taxa fixa, com prazo de 10 anos e 6 meses e possibilidade de reembolso antecipado, por parte do banco, uma vez decorridos 5 anos e 6 meses. Daí o código dos títulos: 10.5NC5.5. 
As emissões de dívida subordinada não são comparáveis com outras emissões de dívida sénior, uma vez que estes títulos têm um risco maior. Estas obrigações contribuem para o capital do banco, mas os seus detentores serão chamados a sofrer perdas no caso de uma resolução da instituição financeira. E, consequentemente, costumam exigir um prémio maior. "Pretende-se que a emissão venha a preencher os requisitos regulamentares necessários para poder ser classificada como instrumento de fundos próprios de nível 2", anunciou ontem o BCPA última vez que o BCP realizou uma emissão de dívida subordinada a 10 anos, e que também serviu para reforçar o rácio de capital suplementar Tier 2, foi em novembro de 2017, altura em que pagou uma taxa de cupão de 4,5% para colocar 300 milhões de euros. Desde então, as condições de mercado mudaram, com as taxas de juro praticadas a descerem consideravelmente. 
 O BCP realizou também, em janeiro deste ano, uma emissão de dívida subordinada, mas perpétua. Nessa altura, o BCP pagou um juro de 9,25% para emitir 400 milhões, tendo a procura duplicado a oferta.