Este website utiliza cookies (identificadores de sessão) para ter uma melhor experiência de navegação, utilização e para personalizar o conteúdo e anúncios disponibilizados. Clique aqui para obter mais informação sobre a utilização dos cookies e alterar os parâmetros de gestão de cookies.

Cookies Essenciais

  • Essenciais

  • Analíticos

  • Funcionalidade

  • Remarketing

Cookies Essenciais

São necessárias para otimizar a navegação e aceder a certas áreas e funcionalidades do website (acesso a áreas seguras do website através de um início de sessão). Estes Cookies estão sempre ativados.

Estes Cookies estão sempre Activos

ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Mota-Engil emite 50 milhões a cinco anos. Paga juro de 5,75%
29/09/2022 23:02

A Mota-Engil vai financiar-se junto do mercado obrigacionista, com o objetivo de angariar 50 milhões de euros. Para tal a empresa de construção vai realizar, durante o mês de outubro, duas ofertas: uma de subscrição (OPS) de dívida e outra de troca (OPT).

"O prospeto refere-se à oferta pública e de admissão à negociação no Euronext Lisbon, de até 100.000 obrigações da Mota-Engil, SGPS, com o valor nominal unitário de €500 e global inicial de até €50.000.000", pode ler-se no documento enviado ao regulador.

O montante total das ofertas é de 50 milhões de euros em obrigações tanto para investidores institucionais como de retalho. A oferta é distribuída por 100 mil títulos com maturidade de cinco anos e a construtora vai pagar um juro bruto de 5,75%, segundo a informação avançada à Comissão de Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM).

As ordens para a subscrição ou troca de obrigações podem ser colocadas a partir da próxima segunda-feira, dia 3 de outubro, e terminam a 17 de outubro. Cada obrigação tem um valor unitário de 500 euros, sendo o capital mínimo de subscrição 2.500 euros, já que é obrigatório subscrever pelo menos cinco títulos.

Após os custos associados à emissão, a empresa poderá ter um encaixe líquido de cerca de 48 milhões de euros, que serão usados para alimentar a "expansão internacional" da empresa, assim como "prosseguir a estratégia de alongamento de maturidade da sua dívida, de modo a alinhá-la melhor com a geração de cash-flow, não estando prevista a utilização para determinada finalidade específica dos proveitos".

Para já, está planeada a emissão de 100 mil títulos. Mas consoante o ritmo de procura e o apetite dos investidores, o valor das ofertas ainda poderá ser aumentado, até 12 de outubro, por opção da Mota-Engil.

"A taxa de juro das Obrigações Mota-Engil 2027 será fixa e igual a 5,75% ao ano (taxa anual nominal bruta [sujeita a impostos]", acrescenta o prospeto.

Os cupões serão pagos a 20 de abril e a 20 de outubro de cada ano até ao reembolso final.

"Cada investidor poderá solicitar ao intermediário financeiro ao qual pretenda transmitir a sua ordem a simulação da rendibilidade líquida do investimento a realizar, após impostos, comissões e outros encargos", esclarece o documento.

Os investidores poderão ainda ter direito a um prémio adicional de 1,25 euros por obrigação na data do reembolso final, caso a Mota-Engil não cumpra determinadas metas ligadas ao percurso ESG da empresa. Este montante - caso seja aplicado- está também sujeito a impostos.

Mota-Engil quer ainda prolongar dívida até 2027
Através da OPT, a Mota-Engil poder, assim, fazer um "roll-out" parcial da dívida da emissão realizada em 2018. Essa emissão, que vence em novembro próximo, teve um montante global de 110 milhões de euros, oferecia uma taxa de juro fixa bruta de 4,5% ao ano.

Os investidores, que assim o desejem, poderão, desta forma, trocar obrigações cuja maturidade termina este ano por títulos que vencem em 2027. Além da obrigação com maturidade mais longa cada investidor recebe um prémio de 2,375 euros, sendo ainda "na data de emissão e liquidação, relativamente às Obrigações Mota-Engil 2022 aceites para troca, (...) pagos os juros corridos
desde 28 de maio de 2022, inclusive, até à data de emissão e liquidação, exclusive, no montante de €8,875 por cada Obrigação
Mota-Engil 2022, sujeito a impostos, comissões e outros encargos.

Rússia não aceitará teto máximo para preço do petróleo
03/12/2022 15:05

Empresas são unânimes: a Black Friday este ano bateu recordes
03/12/2022 14:00

Morreu Jill Jolliffe, jornalista que testemunhou invasão indonésia de Timor
03/12/2022 12:47

Endividamento com garantias do Estado coloca em perigo setor financeiro de Itália
03/12/2022 12:00

Clientes da EDP passam a ter contratos de três meses
03/12/2022 11:06

Presidente francês pede reforço de moderação de conteúdos no Twitter
03/12/2022 10:47

SMS cada vez mais usados como garante de cibersegurança
03/12/2022 09:57

Sonangol anuncia emissão obrigacionista de 150 milhões de dólares
03/12/2022 09:32

EUA preveem que PIB russo fique abaixo de níveis pré-guerra até 2030
02/12/2022 22:39

Dados do emprego trocam as voltas a Wall Street. Sessão fechou mista
02/12/2022 21:28

Investimento previsto no Fórum Oeiras quase duplica e representa agora 55 milhões de euros
02/12/2022 21:05

Grupo Manuel Champalimaud compra negócio de plásticos para automóvel da Novares
02/12/2022 19:44

Comissão Europeia aprova programa Mar 2030
02/12/2022 19:13

Fintech Shield arrecada 20 milhões e quer reforçar presença em Portugal
02/12/2022 19:03

Passes e bilhetes da Carris Metropolitana sem aumentos em 2023 na região de Lisboa
02/12/2022 18:25

Vendas automóveis crescem 24% em novembro. Acumulado já supera 2021
02/12/2022 18:10

Portugal perde e coloca Coreia do Sul nos oitavos do Mundial
02/12/2022 17:09

UE acorda limite máximo de 60 dólares ao petróleo russo
02/12/2022 16:56

Britânica Ardonagh conclui compra do grupo MDS. Sonae encaixa 104 milhões
02/12/2022 16:55

Rússia disponível para conversações, mas quer regiões anexadas reconhecidas
02/12/2022 16:20

login

Pesquisa de títulos

Fale Connosco