ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Petróleo cai com receios sobre cortes da OPEP+. Sauditas já vieram dar sinal mais positivo
04/12/2023 17:26

Os preços do "ouro negro" seguem em baixa nos principais mercados internacionais, pressionados pelo ceticismo dos investidores perante a mais recente decisão dos membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e seus aliados (o chamado grupo OPEP+) e pela incerteza em torno da procura mundial por combustível, apesar de o risco de pertubações da oferta no Médio Oriente – devido ao potencial alastrar do conflito entre Israel e Hamas – estar a limitar as perdas.

 

Em Londres, o Brent do Mar do Norte, que é a referência para as importações europeias, segue a cair 0,22% para 78,71 dólares por barril.

 

Já o West Texas Intermediate (WTI), "benchmark" para os Estados Unidos, recua 0,39% para 73,78 dólares por barril.

 

As quedas de hoje juntam-se à perda de 2% de ambos os crudes no acumulado da semana passada, depois de os cortes extra da oferta anunciados pela OPEP+ não terem convencido o mercado.

 

A OPEP+ manteve os cortes que já estavam planeados e anunciou mais 2,2 milhões de barris por dia de retirada adicional de crude do mercado – mas como este volume vai ser cortado de forma voluntária por alguns países, isso está a gerar incerteza. Os cortes, ao serem voluntários por natureza, suscitam dúvidas quanto à possibilidade de os produtores os implementarem na íntegra.

 

O acordo base da OPEP+ que tem estado em vigor – e que está previsto prolongar-se durante todo o ano de 2024 – prevê um corte conjunto da oferta na ordem dos 3,66 milhões de barris/dia, através de menores quotas de produção dos seus membros. Além disso, a Arábia Saudita também tinha anunciado uma redução, de forma voluntária e unilateral, de mais um milhão de barris por dia à sua oferta, tendo a Rússia anunciado igualmente uma diminuição diária extra de 300.000 barris – ambas até ao final deste ano. Assim, o total da retirada de crude do mercado rondava atualmente os cinco milhões de barris diários.

 

A Arábia Saudita tinha advertido para o facto de poder abandonar o seu atual esforço unilateral e voluntário de corte adicional da oferta se não houvesse mais membros a darem um maior contributo na retirada de crude do mercado.

 

Na reunião de quinta-feira, 30 de novembro, à falta de acordo para uma nova meta agregada de corte da produção, os membros da OPEP+ decidiram avançar durante o primeiro trimestre do próximo ano com reduções voluntárias adicionais, que rondam os 2,2  milhões de barris por dia, na tentativa de impedir que os preços da matéria-prima continuem a cair.

 

Assim, além do corte geral que já vigorava, de 3,66 milhões de barris diários, a Arábia Saudita anunciou que o seu milhão adicional de diminuição diária da oferta se prolonga pelo menos durante o primeiro trimestre de 2024 (e não apenas até ao final deste ano) e o mesmo fez a Rússia (cujo corte passa para 500 mil barris/dia). Também o Iraque, Koweit, Cazaquistão, Argélia e Omã irão fazer um esforço extra no fecho de torneiras que ascende a cerca de 758 mil barris por dia.

 

Riade tenta acalmar mercado

 

Esta segunda-feira - perante o ceticismo dos investidores, que tem levado a que os preços continuem a cair - Riade veio tentar animar o mercado.

 

O príncipe Abdulaziz bin Salman, que é também ministro saudita da Energia, declarou a meio da tarde que os cortes de produção da OPEP+ podem "seguramente" prosseguir depois do primeiro trimestre se tal for necessário.

 

A retirada de crude da oferta, que foi anunciada na semana passada, só deixará de estar em vigor se as condições de mercado o permitirem – e será sempre numa abordagem faseada, afirmou bin Salman, citado pela Bloomberg.

 

O príncipe saudita disse ainda que os céticos perceberão que estão errados. "Acredito, honestamente, que essa retirada adicional de 2,2 milhões de barris por dia vai acontecer", declarou.

Medina aplaude subida de "rating". "Todos ficam mais protegidos dos atuais juros altos"
01/03/2024 22:01

S&P 500 e Nasdaq marcam novos recordes com ajuda da inteligência artificial
01/03/2024 21:19

S&P sobe "rating" de Portugal para clube do A
01/03/2024 21:04

MH-1: Portugal regressa ao espaço na segunda-feira a partir da Califórnia
01/03/2024 19:29

Rui Alpalhão: ?Não percebo a ideia de se acabar com as recessões?
01/03/2024 18:00

Número de operações na Caixa Geral de Depósitos cresceu em dia de greve
01/03/2024 17:52

Sonae emite 400 milhões de dívida a quatro anos para financiar OPA sobre Musti
01/03/2024 17:41

A bolha e as sete magníficas
01/03/2024 17:30

Vendas de automóveis crescem 17,5% até fevereiro e já superam 2019
01/03/2024 17:01

Lisboa estreia março no verde com impulso das energéticas
01/03/2024 16:49

A economia reagiu sem recessões severas e graves
01/03/2024 16:30

Stilwell: OPA à EDP Brasil "aconteceu no momento certo". Vai render 120 milhões em 2024
01/03/2024 16:01

Bancos centrais com resultados negativos
01/03/2024 15:30

Gasóleo desce 1,5 cêntimos e gasolina sobe um cêntimo na próxima semana
01/03/2024 15:00

O papel da literacia financeira na vida
01/03/2024 14:30

A inovação no centro da transição para as energias renováveis
01/03/2024 14:00

PGR reitera evidência de um MP sob ataque e recusa continuar no cargo
01/03/2024 13:22

Quase 85% da Função Pública quer semana de quatro dias. Dirigentes discordam mais
01/03/2024 13:00

Só Itália e Espanha produzem mais tomates que Portugal na UE
01/03/2024 12:43

Guerra de números na greve da Caixa Geral de Depósitos
01/03/2024 11:58

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco