ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Presidente do Eurogrupo afasta recessão em Portugal e elogia progressos ?notáveis?
09/12/2023 09:26

O presidente do Eurogrupo, Paschal Donohoe, afasta um cenário de recessão em Portugal pela "boa forma" das finanças públicas portuguesas, considerando que a economia do país está "muito bem posicionada" para enfrentar um crescimento mais baixo após "progressos notáveis".

 

"Apesar de termos tido uma guerra na Europa [na Ucrânia], apesar de termos estado na linha da frente da forte subida dos preços, o que se verificou em muitas economias, incluindo a economia de Portugal, foi um crescimento mais baixo [...], mas porque as vossas finanças públicas estão em boa forma e porque a vossa dívida pública tem sido muito bem gerida, acredito que a economia portuguesa está muito bem posicionada para evitar uma recessão", afirmou Paschal Donohoe, em entrevista à agência Lusa em Bruxelas.

 

"De facto, estou razoavelmente confiante de que as perspetivas para a zona euro e para Portugal continuam a ser de crescimento", insistiu o líder do grupo informal da moeda única, quando confrontado com recentes dados como a queda de 0,2% no Produto Interno Bruto (PIB) português no terceiro trimestre deste ano em relação aos três meses anteriores.

 

Ressalvando que "ninguém pode dar garantias" de que não haverá uma recessão, dado o contexto geopolítico, Paschal Donohoe disse ainda assim "reconhecer que as finanças públicas e a economia [de Portugal], em geral, estão em boa forma e têm a capacidade de ultrapassar estes desafios".

 

"Penso que a economia portuguesa fez progressos notáveis nos últimos anos. Se olharmos para os desafios com que os portugueses se confrontaram há alguns anos, com as finanças públicas em dificuldades, com uma economia que não estava a crescer tão rapidamente como desejavam e, se olharmos para a situação atual [...], temos um excedente orçamental e temos uma economia que está a crescer bem", comentou o responsável.

 

Paschal Donohoe falou numa "conquista muito importante numa atmosfera que, neste momento, coloca muitos desafios e interesses diferentes", que se deve "a todos os que estiveram envolvidos na tomada dessas decisões e ao trabalho árduo do povo de Portugal".

 

Nas previsões económicas de outono da Comissão Europeia, publicadas em meados de novembro, foi previsto um crescimento do PIB português de 2,2% em 2023, de 1,3% em 2024 e de 1,8% em 2025.

 

As previsões do executivo comunitário comparam com as do Ministério das Finanças, que apontam para um crescimento de 2,2% este ano e de 1,5% em 2024.

 

Estas projeções de crescimento económico contido devem-se ao contexto desafiante relacionado com as tensões geopolíticas, nomeadamente a guerra da Ucrânia causada pela invasão russa e os receios sobre o conflito no Médio Oriente, entre Israel e o grupo islamita Hamas.

 

O abrandamento contrasta com a melhoria na taxa de inflação, que tem vindo a baixar nos últimos meses após atingir níveis históricos devido à reabertura da economia pós-pandemia de covid-19, à crise energética e às consequências económicas da guerra da Ucrânia, mas ainda acima do objetivo de 2% fixado pelo Banco Central Europeu (BCE) para a estabilidade dos preços.

 

Questionado pela Lusa nesta entrevista sobre um eventual alívio nas taxas de juro em 2024, após a atual manutenção, Paschal Donohoe salientou os "grandes esforços [dos países do euro] para tentar obter notícias positivas sobre a redução da inflação".

 

Segundo o responsável, se se conseguir "manter esse progresso e baixar a inflação, isso significa que podemos evitar a fronteira por mais tempo e, ao fazê-lo, criar o ambiente para o BCE tomar decisões sobre as taxas de juro".

 

Em novembro, a taxa de inflação na zona euro voltou a cair para um mínimo desde julho de 2021, ao fixar-se em 2,4%.

Medina aplaude subida de "rating". "Todos ficam mais protegidos dos atuais juros altos"
01/03/2024 22:01

S&P 500 e Nasdaq marcam novos recordes com ajuda da inteligência artificial
01/03/2024 21:19

S&P sobe "rating" de Portugal para clube do A
01/03/2024 21:04

MH-1: Portugal regressa ao espaço na segunda-feira a partir da Califórnia
01/03/2024 19:29

Rui Alpalhão: ?Não percebo a ideia de se acabar com as recessões?
01/03/2024 18:00

Número de operações na Caixa Geral de Depósitos cresceu em dia de greve
01/03/2024 17:52

Sonae emite 400 milhões de dívida a quatro anos para financiar OPA sobre Musti
01/03/2024 17:41

A bolha e as sete magníficas
01/03/2024 17:30

Vendas de automóveis crescem 17,5% até fevereiro e já superam 2019
01/03/2024 17:01

Lisboa estreia março no verde com impulso das energéticas
01/03/2024 16:49

A economia reagiu sem recessões severas e graves
01/03/2024 16:30

Stilwell: OPA à EDP Brasil "aconteceu no momento certo". Vai render 120 milhões em 2024
01/03/2024 16:01

Bancos centrais com resultados negativos
01/03/2024 15:30

Gasóleo desce 1,5 cêntimos e gasolina sobe um cêntimo na próxima semana
01/03/2024 15:00

O papel da literacia financeira na vida
01/03/2024 14:30

A inovação no centro da transição para as energias renováveis
01/03/2024 14:00

PGR reitera evidência de um MP sob ataque e recusa continuar no cargo
01/03/2024 13:22

Quase 85% da Função Pública quer semana de quatro dias. Dirigentes discordam mais
01/03/2024 13:00

Só Itália e Espanha produzem mais tomates que Portugal na UE
01/03/2024 12:43

Guerra de números na greve da Caixa Geral de Depósitos
01/03/2024 11:58

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco