ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Inteligência artificial portuguesa quer democratizar acesso
09/12/2023 10:54

O coordenador do primeiro grande modelo de inteligência artificial (IA) generativa para a língua portuguesa afirmou hoje que esta ferramenta vai ajudar na democratização e domesticação da tecnologia.

 

"Neste momento, em termos de modelo de linguagem, grandes modelos de linguagem de código aberto e disponibilização aberta, a nossa oferta é a maior e a melhor para o português europeu e para o português do Brasil", afirmou, em entrevista à Lusa, António Branco.

 

Apoiado com fundos do Plano de recuperação e Resiliência (PRR), o projeto visa "desenvolver 'chatbots' para a língua portuguesa na variante europeia" e, "no quadro desse projeto, estamos a desenvolver grandes modelos de linguagem", que depois irão permitir "aplicações como 'chatbots' ou tradução", explicou António Branco.

 

A equipa, que inclui uma parceria com a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto, está "a desenvolver duas famílias de grandes modelos de linguagem: a Albertina e o Gervásio".

Um modelo de linguagem generativa procura identificar a palavra mais provável de acordo com o pedido feito inicialmente.

 

Anunciada em maio deste ano, a Albertina é um modelo mais vocacionado para a classificação, enquanto o Gervásio será mais adequado para a produção de texto.

 

"É algo que com o treino se qualifica. Podem levar uns afinamentos, digamos assim, para se especializar em certas tarefas", utilizando pesquisa 'online' e a partir dos parâmetros predefinidos.

 

"Todas as habilidades que a gente vê o ChatGPT fazer, é nesta base: palavra a palavra consecutivamente, ir prevendo qual é que é a mais provável", mas, nesse caso, o 'chat' "foi treinado numa quantidade colossal de dados".

 

Nos casos dos modelos portugueses, foram carregados cerca de 1,6 mil milhões de parâmetros, enquanto o GTP3, da OpenAI, tem 165 mil milhões de parâmetros.

Mas estes "são modelos de código aberto e de acesso aberto, coisas que o GTP3 não é", que "está fechado a sete chaves na OpenAI", à semelhança do que acontece com as ferramentas da Google.

 

"A OpenAI começou com uma lógica de investigação científica e a cada modelo novo que eles faziam, eles faziam uma publicação científica com a explicação técnica e, quando chegou o GTP3, pararam" de publicar, pelo que "não se sabe exatamente qual foi a coleção de textos que usaram para treinar", por exemplo.

 

No caso português, num projeto financiado com dinheiro público, a aposta foi "democratizar esta tecnologia, o que significa dar condições para que o maior número possível de atores e de organizações possam usar" as ferramentas.

 

Além disso, a equipa está a criar soluções que permitam "domesticar as ferramentas, para dentro das organizações".

 

"Não é possível trazer para dentro de uma instituição a ferramenta da OpenAI", que corre num centro de dados de grandes dimensões, embora não se saiba ao certo onde é.

 

Mas tem de ser "uma coisa brutal" e "não é gerível para quem queira manter as informações dentro da sua organização".

 

Por isso, "o que nós estamos a fazer é dar modelos, investigar técnicas que consigam comprimir o tamanho dos modelos de forma a que possam ficar para dentro das organizações".

 

Até porque o volume de informação a que se tem acesso via OpenGPT "não é viável nem útil".

"Um banco não quer ter uma interface com o utilizador do género ChatGPT, em que o utilizador vai querer fazer operações reduzidas e pedir informações dentro de um quadro bastante limitado", exemplificou.

 

"Estes usos de casos, que são importantes para as organizações, são muitíssimo mais limitados do que esta parafernália de capacidades que o ChatGPT oferece", pelo que "nós conseguimos entregar um serviço de boa qualidade com modelos bastante mais pequenos, pequenos ao ponto de poderem ser trazidos para dentro dos servidores das organizações", explicou.

 

Atrasada na IA, a Europa prefere apenas regular

 

 O investigador António Branco criticou a falta de empenho da União Europeia nas novas tecnologias de IA, preferindo optar apenas por soluções de regulação.

 

"Nós precisamos de ser agentes destas tecnologias, deste movimento civilizacional de transformação" e "não apenas os fulanos que dizem 'nós somos muito ricos, temos muito dinheiro para gastar e portanto, agora vocês vendem-nos aquilo que nós determinamos'", afirmou, em entrevista à Lusa, António Branco, comentando a falta de investimento nesta área.

 

"Os Estados Unidos vão continuar a inovar, a China vai continuar a copiar e a Europa vai continuar a regular", disse o coordenador do primeiro grande modelo de Inteligência Artificial generativa para a língua portuguesa.

 

"Neste momento, já não há maneira de tapar o sol com a peneira, a Europa está para trás completamente. Sem nenhuma dúvida, está na segunda divisão da investigação avançada sobre a inteligência artificial", afirmou o investigador, que aponta a divisão dos países e dos núcleos de investigação como a grande razão.

 

Assiste-se a "uma indecisão por parte dos governos" e "ainda não vemos medidas assertivas e substanciais que eu acho que deveriam estar a acontecer", preferindo apenas "esperar que apareçam uma espécie de pequenas OpenAI cá na Europa", numa referência à empresa norte-americana que gere o ChatGPT.

 

Mas, "como em tudo na vida, não basta despejar dinheiro, o dinheiro tem de ser bem organizado", e, "neste momento, a Europa nem sequer a tentar organizar está". A "minha sensação é que a Europa está espartilhada por imensas associações e a Comissão Europeia está tolhida por esse jogo entre as diferentes associações", explicou.

 

Por outro lado, "culturalmente também está feliz com o seu papel de aparecer como o anjo vingador" que irá fazer "uma legislação e uma regulação" do setor, para que possam aceder ao mercado de consumidores europeus.

 

Ora "regular o que os outros fazem no nosso quintal? Está bem, mas o mundo é tão grande", comentou António Branco, que critica a falta de vontade política da UE.

 

Sobre o futuro próximo, António Branco espera que a IA reforce a sua integração "em produtos de grande consumo", seja no trabalho ou nas ferramentas de produtividade.

"Do ponto de vista do avanço tecnológico, vamos continuar a ser surpreendidos é na multimodalidade, no processamento combinado, de linguagem, de imagem e de sons", sublinhou o especialista em IA.

 

"Hoje em dia nós já conseguimos gerar uma imagem através de uma descrição e isso vai começar a acontecer também nos vídeos: a gente dá uma descrição e ele gera um vídeo, que corresponde a essa descrição e vice-versa", exemplificou.

 

Será também possível "editar imagens e vídeos só de conversa", reduzindo ou resumindo conteúdo em texto mas também noutras plataformas, acrescentou.

 

Inteligência artificial constitui ameaça à soberania

 

António Branco considera que esta tecnologia constitui uma ameaça à soberania dos Estados.

 

"Os Estados democráticos têm de assumir isto como uma questão geoestratégica e de soberania da maior importância", afirmou, em entrevista à Lusa, o professor do Departamento de Informática da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

 

Em causa está o facto de as bases de dados estarem nas mãos de "duas ou três grandes empresas", sem acesso público ou fiscalização externa, que podem condicionar todo o funcionamento das organizações e dos cidadãos.

 

"Nós estamos aqui a assistir a um efeito reverso àquilo que procurámos com a Internet", que é global e não permite a um utilizador condicionar o acesso dos outros, numa "lógica completamente descentralizada".

 

Ora, no caso da IA, "estamos a fazer ao contrário, estamos a afunilar para duas ou três entidades que vão estar a receber as comunicações, a conversa em linguagem natural de toda a gente do mundo inteiro e a devolver processado" sob a forma de aplicações úteis que habituam as pessoas ao seu uso.

 

Porque, "quando nós, seres humanos, nos habituamos a certo nível de intermediação tecnológica, já não somos capazes de regressar ao nível anterior", disse.

"Isto é aterrador em termos de soberania, é aterrador", salientou António Branco.

 

Por um lado, basta haver "um problema técnico" num destes fornecedores e "nós ficamos sem conseguir falar uns com os outros", porque "os dados estão todos a passar por lá de todas as nossas conversas importantes ou não importantes, ideológicas ou não ideológicas, confessionais ou não confessionais".

 

As grandes empresas tecnológicas "estão a ficar com a cópia dos nossos dados lá e com isso nós estamos dependentes desse serviço", que "pode ser cortado a qualquer momento".

 

Isso já acontece hoje. "Basta pensar que temos uma nação em risco existencial, que é Ucrânia", cujo "esforço de guerra depende de um sistema de satélites que são ligados ou desligados pela decisão de uma pessoa consoante essa pessoa acha que a frente de batalha está a ir na direção certa ou na direção errada".

 

"Se a geopolítica se rearranja", os "acessos podem ser condicionados". Se "a gente fica num lado do tabuleiro que é diferente do lado do tabuleiro deles, eles dizem 'corta aí' e ficamos completamente às escuras para falar uns com os outros para comunicar com os outros", explicou.

 

Hoje "temos aqui um risco de subtração de soberania a não muito longo prazo", salientou António Branco, que defende o aparecimento de mais ferramentas de IA, com bases de dados diversas.

 

O Estado português tem dois serviços de Chat com base na IA, um sobre divórcio e outro sobre a chave móvel digital, que são fornecidos pela OpenAI.

 

"Ninguém sabe" que dados são retirados pela OpenAI e é por isso que a "administração pública portuguesa está à procura de condições para se libertar desta dependência de um único fornecedor, mas isto tem custos", avisou.

 

"Democratizar o uso e o acesso é o antídoto" e "quanto mais entidades oferecerem estes serviços, menos a gente vai fazer passar os nossos dados só" pelas grandes tecnológicas.

Além disso, cada país deve manter nas suas fronteiras a informação de que necessita. "Isto é uma questão da maior relevância para os Estados democráticos", salientou o investigador, que deu alguns exemplos.

 

"Os próprios Estados Unidos estão a investir, do ponto de vista do dinheiro público, dezenas de milhares de milhões de dólares, apesar de as 'big techs' estarem lá sediadas", disse António Branco, que destacou também o Reino Unido nesse esforço nacional.

 

As grandes empresas que gerem modelos de linguagem generativa, a Google ou a OpenAI, são "opacas" e "não se sabe que tipo de informação gerem", mas esse problema torna-se ainda mais grave em Estados não-democráticos.

 

"São três mundos diferentes: há nós aqui, no ocidente, há a China e há a Rússia", recordou.

 

Colegisladores da UE chegam a acordo para primeira lei do mundo sobre IA

 

Os colegisladores da União Europeia (UE), o Conselho e o Parlamento Europeu, chegaram hoje à noite, após várias horas de negociação, a acordo provisório sobre as primeiras regras do mundo para a IA, foi anunciado.

 

A informação foi avançada pela presidência espanhola do Conselho da UE que, numa publicação na rede social X (antigo Twitter), indica que a estrutura que junta os Estados-membros e os eurodeputados "chegaram a um acordo provisório sobre a lei relativa à inteligência artificial", um regulamento que "visa garantir que os sistemas de IA implementados e utilizados na UE são seguros e respeitam os direitos fundamentais e os valores europeus".

 

Também a Comissão Europeia, que propôs este regulamento, se congratulou no X com esta 'luz verde' provisória, nomeadamente o comissário europeu do Mercado Interno, Thierry Breton, que falou num momento "histórico" já que, com este aval, "a UE torna-se no primeiro continente a definir regras claras para a utilização da IA".

 

Entretanto, e ainda no X, a líder do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, salientou que esta lei "é uma novidade a nível mundial" e introduz um "quadro jurídico único", enquanto a presidente do Parlamento Europeu, Roberta Metsola, falou num "momento histórico para a Europa digital".

 

Os colegisladores (Estados-membros e Parlamento Europeu) estavam desde junho a negociar as primeiras regras comunitárias para que as tecnologias que desenvolvem e recorrem à inteligência artificial sejam seguras e respeitem os direitos fundamentais.

 

Esta semana, as negociações intensificaram-se em trílogos de mais de 30 horas, em Bruxelas.

A Comissão Europeia apresentou, em 2021, esta proposta para salvaguardar os valores e direitos fundamentais da UE e a segurança dos utilizadores, obrigando os sistemas considerados de alto risco a cumprir requisitos obrigatórios relacionados com a sua fiabilidade.

 

Esta será, então, a primeira regulação direcionada para a IA, apesar de os criadores e os responsáveis pelo desenvolvimento desta tecnologia estarem já sujeitos à legislação europeia em matéria de direitos fundamentais, de proteção dos consumidores e de regras em matéria de segurança.

 

Previsto está que sejam introduzidos requisitos adicionais para colmatar os riscos, como a existência de supervisão humana ou a obrigação de informação clara sobre as capacidades e as limitações da inteligência artificial.

 

A IA tem vindo a ser cada vez mais usada em áreas como o entretenimento (personalização dos conteúdos), o comércio 'online' (previsão dos gostos dos consumidores), os eletrodomésticos (programação inteligente) e os equipamentos eletrónicos (recurso aos assistentes virtuais como a Siri ou a Alexa, entre outros).

 

A Comissão Europeia tem tentado reforçar a cooperação entre os Estados-membros relativamente à IA, mas ainda não existe um enquadramento legal comum, pelo que o objetivo é passar de uma abordagem voluntária para a esfera regulatória.

Medina aplaude subida de "rating". "Todos ficam mais protegidos dos atuais juros altos"
01/03/2024 22:01

S&P 500 e Nasdaq marcam novos recordes com ajuda da inteligência artificial
01/03/2024 21:19

S&P sobe "rating" de Portugal para clube do A
01/03/2024 21:04

MH-1: Portugal regressa ao espaço na segunda-feira a partir da Califórnia
01/03/2024 19:29

Rui Alpalhão: ?Não percebo a ideia de se acabar com as recessões?
01/03/2024 18:00

Número de operações na Caixa Geral de Depósitos cresceu em dia de greve
01/03/2024 17:52

Sonae emite 400 milhões de dívida a quatro anos para financiar OPA sobre Musti
01/03/2024 17:41

A bolha e as sete magníficas
01/03/2024 17:30

Vendas de automóveis crescem 17,5% até fevereiro e já superam 2019
01/03/2024 17:01

Lisboa estreia março no verde com impulso das energéticas
01/03/2024 16:49

A economia reagiu sem recessões severas e graves
01/03/2024 16:30

Stilwell: OPA à EDP Brasil "aconteceu no momento certo". Vai render 120 milhões em 2024
01/03/2024 16:01

Bancos centrais com resultados negativos
01/03/2024 15:30

Gasóleo desce 1,5 cêntimos e gasolina sobe um cêntimo na próxima semana
01/03/2024 15:00

O papel da literacia financeira na vida
01/03/2024 14:30

A inovação no centro da transição para as energias renováveis
01/03/2024 14:00

PGR reitera evidência de um MP sob ataque e recusa continuar no cargo
01/03/2024 13:22

Quase 85% da Função Pública quer semana de quatro dias. Dirigentes discordam mais
01/03/2024 13:00

Só Itália e Espanha produzem mais tomates que Portugal na UE
01/03/2024 12:43

Guerra de números na greve da Caixa Geral de Depósitos
01/03/2024 11:58

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco