ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

PS sugere demissão da secretária de Estado da Mobilidade
19/06/2024 12:43

Esta posição foi transmitida aos jornalistas pelo deputado socialista Pedro Coimbra, numa conferência de imprensa, na Assembleia da República, em que afirmou que o PS também "tem sérias dúvidas" se a indemnização atribuída à secretária de Estado respeitou a lei.

"Estamos perante um caso de claro favorecimento. Estamos a falar de dinheiro dos contribuintes e de uma empresa pública. Penso que é o momento certo para a senhora secretária de Estado, para o ministro da tutela [Miguel Pinto Luz], incluindo o primeiro-ministro [Luís Montenegro], avaliarem se há condições para [Cristina Dias] se manter em funções, continuando a gerir dinheiros públicos", declarou o dirigente do PS.

Pedro Coimbra deixou ainda uma pergunta: "Podemos confiar na moral e na ética da senhora secretária de Estado?"

De acordo com o PS, Cristina Dias transitou "em poucos dias" da administração da CP para uma entidade reguladora, "passando o seu vencimento base para cerca do dobro".

"E em pouco tempo foi-lhe atribuída uma indemnização de 80 mil euros. Foi um processo tratado em tempo recorde, com o conselho de administração a ser convocado de forma extraordinária, com a indemnização a ser atribuída sem ter por base qualquer parecer jurídico e sem que exista qualquer processo nos recursos humanos da empresa", referiu Pedro Coimbra.

Pedro Coimbra assumiu estas posições depois de a secretária de Estado da Mobilidade ter sido ouvida hoje no parlamento sobre a sua saída da CP, com uma indemnização de 80.000 euros, para assumir funções como administradora da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

Confrontado se esta situação com Cristina Dias é equivalente ou até menos grave do que o que envolveu a antiga secretária de Estado socialista do Tesouro Alexandra Reis, que saiu da TAP com uma indemnização de meio milhão de euros (e não apenas de 80 mil euros), o dirigente socialista alegou que esse caso que atingiu o Governo do PS "já foi avaliado e teve consequências políticas".

"Estamos aqui a avaliar um outro caso com indícios de falta de transparência, de ética e de moral. E o PS tem muitas dúvidas que esteja assente na legalidade", insistiu.

O jornal Correio da Manhã (CM) noticiou em 19 de abril, após Cristina Dias ter sido anunciada como secretária de Estado da Mobilidade, que a atual governante saiu da CP – Comboios de Portugal em julho de 2015, com uma indemnização de cerca de 80.000 euros, para assumir funções como administradora da AMT a convite do governo PSD/CDS-PP liderado por Pedro Passos Coelho.

Segundo o jornal, foi depois auferir na AMT um salário e despesas de representação na ordem dos 13.440 euros por mês, quase o dobro dos 7.210 euros que recebia na CP.

No mesmo dia em que o CM noticiou este caso, o ministro da Presidência, António Leitão Amaro, defendeu que a governante recebeu a sua indemnização com base em 18 anos de trabalho na CP e que até se lhe aplicou "o mais baixo dos dois salários que poderia ser ponderado", como técnica superior e não como administradora, cargo que exercia quando deixou a empresa.

Leitão Amaro referiu também que se trata de uma indemnização "igual a perto de 400 trabalhadores e dentro de um programa aberto durante quatro anos com regras aplicáveis a todos".

No passado dia 22 de maio, o ex-diretor da Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF) Francisco Fortunato, que denunciou o caso em 2015, disse no parlamento que "nenhuma norma foi cumprida" naquele processo e que a indemnização paga pela CP foi um "ato de má gestão, lesivo do interesse público e feito à total revelia dos normativos existentes e da política de austeridade então aplicada pelo Governo à generalidade dos trabalhadores".

Em 29 de maio, também em audição na Comissão de Economia, Obras Públicas e Habitação, o antigo presidente da CP Manuel Queiró – que exercia o cargo na altura em que Cristina Dias era administradora e saiu da empresa - negou ter tido conhecimento prévio da ida da atual secretária de Estado para a AMT.

EUA: Biden só admite desistir da corrida presidencial por problema médico concreto
17/07/2024 18:27

EDP fecha venda de sete parques eólicos em Itália por 400 milhões
17/07/2024 18:12

Correção no BCP após máximo de oito anos leva Lisboa ao vermelho
17/07/2024 16:56

Horta Osório não excluiu oferta vinculativa pela Altice "se acionistas resolverem retomar" a venda
17/07/2024 16:42

Primeiro-ministro cancela viagem a Oxford por motivos de saúde
17/07/2024 16:37

IP vai candidatar-se em setembro a mais fundos europeus para alta velocidade
17/07/2024 16:17

Light & Flare: Dois universos unidos pela luz
17/07/2024 15:48

Produção de biometano pode crescer 178% até 2030 e poupar 1,4 mil milhões aos consumidores
17/07/2024 15:25

Xi pede ao Partido Comunista Chinês "fé inabalável" na sua estratégia económica
17/07/2024 15:04

Tripulantes admitem convocar greve na Easyjet
17/07/2024 14:43

PS avisa: "É praticamente impossível" aprovar OE 2025 sem cedências
17/07/2024 14:39

Grupo Pestana prepara novo investimento em Porto Covo
17/07/2024 13:03

Von der Leyen perde no Tribunal Geral da UE caso sobre transparência nos contratos Covid
17/07/2024 13:03

Angola "muito contente" com participação no BCP. Vender não é opção
17/07/2024 11:44

Alta velocidade Lisboa-Porto assegura fundos europeus
17/07/2024 11:35

Montenegro afasta para já fim da derrama estadual e espera que descida de IRC aumente a receita
17/07/2024 11:13

Eurostat confirma desacelaração da inflação na Zona Euro para 2,5%
17/07/2024 11:05

Portugal coloca mil milhões de euros em dívida de curto prazo. Cupão fica nos 3,552%
17/07/2024 10:41

"O primeiro-ministro não exige lealdade ao Parlamento, presta contas ao Parlamento", responde PS
17/07/2024 10:21

Governo aprova segunda PPP para a alta velocidade
17/07/2024 10:16

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco