ÚLTIMAS NO NEGÓCIOS.PT

Revogada contribuição extraordinária sobre o alojamento local com ajuda do Chega
21/06/2024 15:13

A contribuição extraordinária sobre o alojamento local (CEAL) criada no final do ano passado acaba de ser revogada, numa autorização legislativa, com os votos a favor do PSD, Chega, Iniciativa Liberal, CDS e PAN e os votos contra do PS, BE, PCP e Livre. Não houve abstenções Também foi anulado o agravamento do IMI para os proprietários destes negócios.

Além destas duas medidas, a proposta do Executivo agora aprovada no Parlamento, prevê ainda o alargamento da isenção de mais-valias com a venda de casa que tenha sido comprada há 12 meses – e não 24 como determinava o Mais Habitação – desde que o montante seja destinado a compra de outra casa para residência principal. Acaba ainda o limite de três anos para utilização da isenção contrário do que está atualmente previsto.

A iniciativa do Governo foi submetida a votação conjunta na generalidade, especialidade e final global.

Durante a fase do debate, a secretária de Estado dos Assuntos Fiscais, Cláudia Reis Duarte, justificou esta decisão com a "injustiça" da CEAL, num argumento em que foi acompanhada pelo Chega, mas que o deputado Carlos Barbosa classificou de uma proposta "curta". O deputado do CDS, João Almeida, considerou por seu lado que a contribuição era expressão de um dos "piores pacotes legislativos" dos últimos anos, referindo-se ao Mais Habitação. Também o PAN se juntou ao Governo, com a deputada Inês Sousa Real a lembrar que esta é uma "taxa que não faz sentido e que o PAN foi sempre contra desde o primeiro momento". A Iniciativa Liberal, pelo deputado Carlos Guimarães Pinto, apontou o que considerou ser uma "embirração" da esquerda com o AL.


É mais uma vitória do Governo no Parlamento depois de outras conseguidas pelos partidos da oposição, nomeadamente o PS. O Executivo conseguiu a primeira vitória na semana passada ao ver aprovada, com o apoio do Chega, a autorização legislativa que lhe permite isentar de IMT e imposto do selo a compra de casa por jovens até aos 35 anos.


A contribuição extraordinária sobre o alojamento local foi criada pelo programa Mais Habitação que entrou em vigor no final do ano passado e devia ser paga este ano pela primeira vez (com referência ao ano de 2023), com a lei a determinar o dia 25 de junho como data-limite para a liquidação. No entanto, o Ministério das Finanças alargou o prazo por 120 dias.


No despacho assinado pela secretária de Estado dos Assuntos Fiscais, Cláudia Reis Duarte, divulgado no início da semana, o adiamento foi justificado pelo facto de o Governo ter apresentado uma proposta para revogar a contribuição e que esperava a votação no Parlamento, o que aconteceu esta sexta-feira.

(Notícia em atualização)

Horta Osório não excluiu oferta vinculativa pela Altice "se acionistas resolverem retomar" a venda
17/07/2024 16:42

Primeiro-ministro cancela viagem a Oxford por motivos de saúde
17/07/2024 16:37

IP vai candidatar-se em setembro a mais fundos europeus para alta velocidade
17/07/2024 16:17

Light & Flare: Dois universos unidos pela luz
17/07/2024 15:48

Produção de biometano pode crescer 178% até 2030 e poupar 1,4 mil milhões aos consumidores
17/07/2024 15:25

Xi pede ao Partido Comunista Chinês "fé inabalável" na sua estratégia económica
17/07/2024 15:04

Tripulantes admitem convocar greve na Easyjet
17/07/2024 14:43

PS avisa: "É praticamente impossível" aprovar OE 2025 sem cedências
17/07/2024 14:39

Grupo Pestana prepara novo investimento em Porto Covo
17/07/2024 13:03

Von der Leyen perde no Tribunal Geral da UE caso sobre transparência nos contratos Covid
17/07/2024 13:03

Angola "muito contente" com participação no BCP. Vender não é opção
17/07/2024 11:44

Alta velocidade Lisboa-Porto assegura fundos europeus
17/07/2024 11:35

Montenegro afasta para já fim da derrama estadual e espera que descida de IRC aumente a receita
17/07/2024 11:13

Eurostat confirma desacelaração da inflação na Zona Euro para 2,5%
17/07/2024 11:05

Portugal coloca mil milhões de euros em dívida de curto prazo. Cupão fica nos 3,552%
17/07/2024 10:41

"O primeiro-ministro não exige lealdade ao Parlamento, presta contas ao Parlamento", responde PS
17/07/2024 10:21

Governo aprova segunda PPP para a alta velocidade
17/07/2024 10:16

Sustentabilidade contribui para 12,7% do valor financeiro das marcas em Portugal
17/07/2024 09:55

Montenegro ao ataque: "Oposições têm dever de lealdade de nos deixarem governar"
17/07/2024 09:53

Lisboa acorda a valorizar. Mota-Engil sobe mais de 3%
17/07/2024 08:20

Ajuda

Pesquisa de títulos

Fale Connosco